falando em sororidade

Quando falo em sororidade, estou falando de empatia, aliança, junção de forças. Estou falando do apoio e do suporte que as mulheres podem dar umas às outras. A sororidade é acabar com a ideia imposta pela sociedade de que mulheres devem sempre se ver como rivais.

É incentivada a rivalidade entre elas, é incentivado que elas devem ver umas às outras como inimigas, que estejam sempre disputando. Essa ideia lhes é sugerida desde meninas, na escola sempre em seus grupinhos de amigas e os de inimigas, até as divulgações da mídia (muitas vezes falsas) de brigas entre mulheres famosas, que geralmente servem apenas para atrair maior audiência.

Sororidade significa acabar com essas rivalidades e substituí-las por apoio e ajuda entre as mulheres. Significa defender outra mulher de um comentário machista, incentivar as mulheres no mercado de trabalho, dar atenção aos debates sobre assuntos feministas, incentivá-las a levantar pautas que devem ser discutidas. Se não fomos incentivadas antes, vamos incentivar umas às outras agora.

Sororidade não é ser amiga de todas, não é ter tolerância total, é nos unirmos quando falamos de um objetivo comum. Não tem nada a ver com tornar-se amiga de uma mulher com a qual você não se dá bem ou, ainda, aprender a gostar de todas elas, por exemplo. Tem a ver, sim, com andar ao lado de outra mulher (mesmo que desconhecida) em uma rua escura para que a proteção seja maior. Sororidade é o suporte e a ajuda que as mulheres podem trocar entre si em várias situações para que juntas fiquemos mais fortes.

   “Nenhuma mulher deveria espalhar mentiras sobre outra mulher, nunca! Você violou o acordo sagrado entre nós! Como esfaquear umas às outras pelas costas vai ajudar as mulheres a superar a opressão patriarcal?”

Alasca, livro Quem é Você Alasca?

There is 1 comment for this article
  1. Claudia 28/03/2019 22:11

    Belo texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *