fatos e dados para quem não acredita começar a acreditar

Em São Paulo, acontecem 88 casos por dia de violência doméstica em 2019. Houve aumento de 14% nos últimos 3 anos nas agressões de companheiros ou ex companheiros a mulheres no estado. No 1º trimestre de 2016 foram registrados 6.937 casos de violência doméstica, já em 2019 foram registrados 7.907 no mesmo período do ano. Em todo o ano de 2018, foram registrados 28.440 casos de lesão corporal por violência doméstica só em SP. Lembrando que esses são os casos que foram registrados, muitas vezes a vitima não registra, e isso tudo só no estado de São Paulo. E a violência doméstica não existe, né? O machismo não existe, né? É tudo mimimi, né?

A cada 20 horas um (a) LGBT morre no Brasil por serem LGBTs, segundo uma pesquisa feita pela ONG. Também foram registrados um aumento de 30% nas mortes de LGBTs em 2017 (445 pessoas mortas) em relação a 2016 (343 mortes). Já em 2018 a porcentagem diminuiu, porém continuou alta, com 420 mortes. 8.027 pessoas LGBTs foram assassinadas no Brasil entre 1963 e 2018. Foram calculadas, em média, uma vítima LGBT a cada 16 horas no Brasil. E homofobia não existe, né? Ser LGBT é uma escolha, né?

Bom, aqui foram só algumas informações sobre somente dois dos famosos preconceitos que existem, não só no Brasil, mas no mundo inteiro e em grande quantidade. Desculpa, mas se ainda existe alguém que depois de ler tudo isso, ainda acha que essas coisas são mimimi ou algo do tipo, então essa pessoa é realmente muito cruel e já pode ser considerada extremamente preconceituosa, pois ela está escolhendo ser isso.

As fontes que eu usei para fazer esse texto foram extremamente confiáveis, e estão sendo citadas a seguir:

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/05/14/sp-tem-88-casos-de-lesao-corporal-por-violencia-domestica-por-dia-em-2019.ghtml

https://www.politize.com.br/lgbtfobia-brasil-fatos-numeros-polemicas/

https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/02/20/brasil-matou-8-mil-lgbt-desde-1963-governo-dificulta-divulgacao-de-dados.htm

 

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *