Denúncias

Ela sabia que o que havia ocorrido não era algo normal, tudo que tinha acontecido depois do seu “não” não lhe parecia muito certo e ele definitivamente deixou de ser um amigo. Não havia dano físico algum, mas muitos psicológicos e esses lembravam-na a todo momento que teria que tomar a decisão certa, pois já havia ouvido histórias de muitas mulheres que deixaram de denunciar pelo medo do “agressor”, ela não podia se deixar levar por aquele pensamento.

Não levou muito tempo para que fosse a delegacia, mesmo que com receio do que iria acontecer, mas a decisão de não desistir da denúncia independente de qualquer medo ainda estava fixa em sua mente.

Esperando pela sua vez, insistia em dizer para si mesma que era forte e não desistiria, esperando com que aquilo se tornasse uma verdade em sua cabeça, mas estava completamente determinada em levar aquilo até o fim. Minutos lhe pareceram horas, e ao chamarem seu nome seu coração gelou.

Ao começar a contar detalhadamente a história, as memórias lhe vinham à cabeça e faziam com que ela se sentisse presenciando a cena novamente. As lágrimas caiam de seus olhos, mas nem por um momento pensou em parar a história.

Então foi a vez de ouvir, respondendo a algumas perguntas. “Não, eu não o provoquei”, “Não, minhas roupas não eram tão curtas assim…”, “decotadas também não!”, “Não era tão tarde da noite assim…”.

As lágrimas corriam por seu rosto, a situação estava sendo revertida e todo os problemas apontavam para ela. Sua cabeça não parava de girar em torno da ideia de que talvez a culpada fosse, na verdade, ela mesma.

“Eu retiro a denúncia.”.

Esse foi só mais um dos casos que não foram denunciados.

 

Obs.: Atualmente apenas 1% das vítimas veem seus agressores sendo punidos. Assédio e violência contra a mulher são culpa inteiramente do agressor. “Ele sempre foi carinhoso assim.” e “É briga de casal.” não são desculpas.

Pesquisas: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/ping-ana-rita https://www.metropoles.com/materias-especiais/estupro-no-brasil-99-dos-crimes-ficam-impunes-no-pais

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *